A Música e a luz

alt"...estamos perdidos no escuro como nos orientamos?"





alt

1 – Como nos orientamos no escuro (a música)


- Quando estamos perdidos no escuro como nos orientamos?

Através da voz. Do som. Eis a resposta.

Ou talvez outra resposta ainda: através da música.

A música, eis uma definição possível: a música como aquilo que nos orienta quando estamos no escuro. No quarto escuro, na casa escura.

Seguir a música como quem segue um mapa.

Segue a música para te orientares, para chegares ao sítio claro - diz o avô sábio.

Eis uma metáfora, claro. A música como aquilo que nos ensina o caminho desde o sítio escuro até ao sítio claro.

Ser iluminado, não pela luz, mas pela música.

Eis, pois, diz Jonas, a importância da música na educação. Não é apenas uma educação para os ouvidos. Ouvir boa música, aprender a tocar um instrumento, tudo isso não é apenas bom para os ouvidos, é também bom para os olhos.

Se estiveres perdido no escuro e ouvires uma música boa e uma música má, deves seguir a música boa: encontrarás a claridade boa. Se estiveres perdido no escuro e seguires a música má, encontrarás a claridade, sim, mas uma claridade má: uma luz aborrecida, ou agressiva, ou incómoda, uma luz excessiva que bate nos olhos e te obriga a baixar as pálpebras. Eis, pois, o que é a música má: é o que te leva à luz má. E a luz má é a luz excessiva e tem o mesmo efeito da escuridão. Diante da luz excessiva tens de fechar os olhos. Não vês nada quando estás no escuro. Não vês nada quando há luz a mais.

Eis, pois, diz Jonas, a importância da música na educação. Eis a importância de se aprender música, de se aprender a distinguir a má música da boa.

Ou seja: quem tem bons ouvidos terá bons olhos.

Aprende a ouvir bem para conseguires ver bem, eis um conselho, diz Jonas.


2 – Como nos orientamos no mar (a luz)


- No mar quem nos ajuda é também a luz.

- O primeiro Farol foi construído na Alexandria, no Egipto, 2300 anos antes de Cristo – diz Jonas. - Impressionante, não?

- E como era feita a luz desse farol?

- Era uma fogueira. Diziam que “era visível a 50 km de distância”. É que antigamente para fazer luz não bastava carregar num botão. A luz vinha das fogueiras. E por isso era necessário uma atenção constante para que a fogueira não se apagasse.

Se te descuidares ficas sem luz - eis o que a fogueira ensina. É necessário estar sempre atento: recolher pinhas, ramos, madeira. É necessário alimentar a luz. Porque nas fogueiras é muito evidente: a luz tem fome, é uma coisa orgânica.

Claro que, com a electricidade, esquecemos um pouco isso, mas na verdade, a electricidade é apenas uma fogueira mais obediente, uma fogueira que se cansa menos, uma fogueira que precisa menos da nossa atenção.

Mas realmente devíamos dar mais atenção à luz. A luz só se mantém, diz Jonas, se continuares a trabalhar para ela. A trazer ramos e pinhas para que a luz se mantenha.

Se ficares preguiçoso, ficarás às escuras. Eis o que acender uma fogueira e mantê-la acesa durante uma noite, ensina.


Comentar

Código de segurança
Actualizar

Editorial.

editorial-317

alt

Um dia a repetir

Acontece todos os anos por esta altura. Sob pretexto de assinalar o Dia Internacional da Criança, recordam-se direitos...

Consultório

 "O meu filho, que fez recentemente quatro anos, vive intensamente esta altura do ano. Ainda acredita no Pai Natal e acha que é ele quem lhe traz as prendas. Ainda...

Leia Mais