A importância da placenta

Indíce do artigo
A importância da placenta
Página 2
Todas as páginas

ImageDentro do útero, o bebé desenvolve-se à custa de um sistema que é constituído pela placenta, cordão umbilical, e a bolsa de líquido amniótico, em cujo líquido o bebé organiza alegremente as suas actividades diárias.

A placenta é um órgão transitório que se forma com o embrião e cuja localização correcta e normal funcionamento são essenciais para um bom desenvolvimento da gravidez, do parto e do pós-parto imediato.

A forma da placenta assemelha-se à de uma panqueca com 2 a 4 cm de espessura, de consistência esponjosa, que se une à parede uterina no lado materno e ao feto pelo cordão umbilical, que dela emerge, normalmente ao centro, no lado fetal. No final da gestação, atinge cerca de 500 gramas, sendo o órgão responsável pela manutenção da gravidez, ao produzir hormonas com ela relacionadas, como a gonadotrofina coriónica (HCG), o estrogénio e a progesterona.

A placenta funciona como um filtro entre o sangue materno e o sangue fetal, possuindo circulação materna de um dos lados e circulação fetal do outro, separadas por uma barreira membranosa. Quando o sangue fetal atravessa o cordão umbilical e percorre a placenta, recebe nutrientes e oxigénio do sangue materno e liberta dióxido de carbono e produtos de degradação fetal (ureia, creatinina, ácido úrico) para a circulação materna, regressando ao feto para novamente o alimentar, oxigenar e purificar. Algumas substâncias, como os lípidos, não chegam sequer ao feto, uma vez que o fígado deste não tem capacidade metabólica durante a maior parte da gravidez. Os lípidos são, então, armazenados na placenta até às últimas 10 semanas da gestação, altura em que o fígado fetal começa a funcionar, sendo, a partir daí, lentamente libertados para a circulação fetal.

Três em um
É por estas e por outras razões que se considera a placenta um órgão extremamente complexo, pois desempenha para o feto múltiplas funções, que no adulto implicam a existência de pulmões, rins e fígado (e é a isto que se pode chamar 3 em 1!).

Este filtro, apesar de permeável à maioria das substâncias, tem alguma capacidade selectiva, não permitindo a passagem de insulina, heparina e dióxido de carbono, substâncias nocivas para o feto. Também para algumas infecções como a toxoplasmose, a infecção a citomegalovírus e mesmo a provocada pelo HIV, a placenta exibe notáveis funções protectoras, reduzindo, de forma significativa a transmissão vertical (a que acontece entre mãe e filho). Infelizmente, o álcool e as drogas passam da circulação materna para a fetal. O tabaco também afecta o desenvolvimento fetal, não só por comprometer a normal oxigenação fetal, como por aumentar a incidência de abortos do segundo trimestre e de descolamento prematuro da placenta (ver à frente), entre outras complicações graves da gravidez. Os medicamentos também atravessam a barreira placentar, daí a razão pela qual muitos estão contra-indicados.

Uma aliada perfeita
A placenta possui ainda a extraordinária capacidade de permitir a aceitação pacífica por parte da mãe, de um hóspede com composição genética, em 50% estranha (50% da mãe e 50% do pai). Tendo em conta a conhecida dificuldade em encontrar um dador compatível para transplante de órgãos e posteriormente impedir a rejeição do órgão transplantado por parte do hospedeiro (ser que recebe o órgão), é de facto notável que um ser humano completo se forme, desenvolva e cresça, ao longo de 9 meses, sem ser identificado como um elemento estranho a destruir pelo sistema imunológico da mãe. Tal facto deve-se à não existência de contacto directo do sangue fetal com o materno, pelo que a placenta não só impede o reconhecimento do feto como um «alvo a abater», como lhe possibilita um confortável estatuto de inquilino, com cama, comida e «pele» lavada.

Placenta prévia
Quando a placenta se insere na porção inferior do útero, cobrindo parcial ou completamente o orifício interno do colo uterino (porta de saída da cavidade uterina), diz-se estar na presença de placenta prévia. No entanto, se lhe disserem que a sua placenta é prévia na ecografia do 2º trimestre (entre as 20 e as 22 semanas de gravidez), isso não significa que tal se verifique no final da gravidez. Com efeito, das cerca de 40% das placentas consideradas prévias nessa idade gestacional, apenas 1 a 4% serão prévias no termo da gravidez. O diagnóstico de placenta prévia é feito através de ecografia com sonda endovaginal (colocada na vagina, permitindo observar o orifício interno do colo uterino). Esta situação acontece uma vez em cada 200 gravidezes. Pode manifestar-se clinicamente por hemorragia vaginal, estando associada a parto pré-termo e implica intervenção obstétrica, com recurso a cesariana.


Comentar

Código de segurança
Actualizar

Editorial.

editorial-293

alt

Sonhos de criança

No mês em que se comemora o Dia da Criança, fomos saber que mundo imaginam as nossas crianças. E, assim,...

Consultório

"O meu filho, que fez recentemente quatro anos, vive intensamente esta altura do ano. Ainda acredita no Pai Natal e acha que é ele quem lhe traz as prendas. Ainda...

Leia Mais

Filho na Capa 2013

SimpleViewer requires JavaScript and the Flash Player. Get Flash