Prontos para um bebé?

Indíce do artigo
Prontos para um bebé?
Página 2
Página 3
Todas as páginas

ImageO nascimento de Eduardo foi tão preparado que, lá por casa, ninguém estava à espera do terramoto que a sua chegada provocou.

«Sempre nos orgulhámos de ser um daqueles casais que falam de tudo. Portanto, mesmo antes de a Sara ficar grávida, abordámos expectativas, traçámos cenários e lemos livros, muitos livros. Sabíamos que não ia ser fácil, mas...», conta João, para deixar a mulher interromper, com um sorriso: «Agora sabemos que fomos uns tolos. Quando se diz que os filhos mudam a nossa vida, mudam mesmo. Não é pieguice, nem exagero. É um facto.»

O que o informático e a designer gráfica sentiram na pele, há quatro anos, foi aquilo que os especialistas não se cansam de sublinhar: o nascimento do primeiro filho é um teste de peso à consistência de um casal e é fundamental que este saiba disso. Só assim estará mais apto a lidar com a onda de choque.

Exagero? Quem já passou pela experiência garante que não. É que se a chegada de um bebé é sempre um momento envolto em amor, também é o início de um enorme desafio para o casal. Ou melhor, de vários, como explica Sara.

«Os primeiros meses são um inferno. Há as opiniões divergentes da mãe e do pai sobre como cuidar da criança; há os novos gastos financeiros; há o não se ter tempo para nada nem ninguém e, obviamente, há o não se ter paciência para o outro. O bebé toma conta de tudo e ele é a única coisa que vemos à frente.»

O marido ri-se e acrescenta: «É mesmo assim, uma coisa obsessiva. Tudo e todas as conversas giram em torno do recém-chegado.» E onde fica a antiga vida a dois? «Não fica», diz a designer gráfica, para rematar: «É como se fosse sugada por aquela criaturinha que dorme no berço.»

Vestir uma nova pele
Para Catarina Rivero, psicóloga e terapeuta familiar, não é difícil explicar essa mudança estrutural na vida a dois.

«Se até então o casal estava concentrado na sua vida conjugal, a par dos respectivos percursos individuais, há agora uma nova configuração: as duas pessoas continuarão a viver a sua vida conjugal, as suas vidas pessoais e profissionais, com uma nova função - serão pai e mãe», diz, para adiantar que o grande desafio é exactamente o de não deixarem que esses novos papéis os dominem, submergindo por completo a ideia de casal, mas adaptá-lo à nova realidade.

É certo que um bebé nos braços fala mais alto, mas há que estar prevenido para a tumultuosa passagem da conjugalidade à parentalidade.

«Os elementos do casal irão deparar-se com uma nova imagem de si e do outro, irão experimentar emoções novas em qualidade e intensidade, sendo que este processo de transformação decorre de forma muito rápida e acompanhada de aprendizagens constantes na prestação dos cuidados ao bebé, com um sentido de responsabilidade muito grande a par de muitas incertezas», avisa Catarina Rivero. E acrescenta que a forma como é gerida a relação do casal com cada uma das famílias de origem poderá ser também um factor facilitador, ou não, desta nova fase de vida.

Turbilhão com fraldas
«Por muito que nos preparemos, é difícil passar por tantas mudanças sem a cabeça rebentar», confessa Sara, para aprofundar: «De um momento para o outro, perdi a minha identidade e passei apenas a ser a mãe do Eduardo. Depois, não percebia para onde ia o nosso casamento, não tinha tempo para o João nem gostava que ele me tocasse, pois o meu corpo estava uma miséria. Além disso, estava sempre cansada e era difícil explicar o que tinha feito o dia inteiro para chegar a esse estado O primeiro filho foi tão stressante que acho que só vou aproveitar o momento mágico da maternidade quando tiver o segundo.»

João concorda com a mulher, sobretudo quando recorda, agora com um sorriso, aquilo que designa como «o campeonato do dia de cão»: «Era uma maluquice, parecíamos loucos a discutir por miudezas.»

Sara explica: «Ele chegava a casa e mal se queixava do trabalho, eu saltava-lhe em cima, dizendo que eu é que estava cansada e por aí fora até ao berro final.»

No caso dos pais de Eduardo, não foi preciso muito tempo para perceberem que os confrontos verbais poderiam acabar mal.


Comentar

Código de segurança
Actualizar

Editorial.

Prazeres simples

alt

A felicidade está na moda. É tema de livros e dissertações, mote de fotografias e exposições. E receitas não...

Consultório

 "O meu filho, que fez recentemente quatro anos, vive intensamente esta altura do ano. Ainda acredita no Pai Natal e acha que é ele quem lhe traz as prendas. Ainda...

Leia Mais