Educar para a solidariedade

alt


As nossas crianças têm uns corações de ouro! Portanto, se as ensinarmos desde pequeninas a preocuparem-se com os outros e a ajudarem-nos (sejam familiares, amigos ou desconhecidos) elas poderão, de facto, mudar o Mundo! Muitas vezes, as dúvidas dos pais prendem-se com a altura certa de começarem a promover estes valores nos seus filhos. Mas isso é simples!


Que o novo ano nos traga não apenas um melhor planeta para os nossos filhos mas essencialmente melhores filhos para este planeta. E essa responsabilidade é nossa!
Existem inúmeros benefícios em ensinarmos os valores solidários a uma criança desde muito cedo, mas estes são os principais:

- Ensina-a a socializar e a conhecer outras pessoas diferentes de si e dos adultos mais próximos  
- Começa a aprender competências de vida: organizar um projeto, pensar nos custos, em que aplicar os lucros, divulgar um evento, etc.
- Tem oportunidades para se sentir grato pelo que tem, pois percebe que nem todos têm uma vida fácil
Os pais deverão encontrar programas ou projetos que vão de encontro aos gostos e capacidades dos seus filhos; por exemplo, crianças que gostem muito de animais podem preparar uma refeição especial para um canil, fazer pet sitting (ou seja, baby sitting a um cão ou gato de algum familiar ou amigo que vá de férias), etc.
No caso de os pais não estarem presentes, é importante que todas essas oportunidades sejam supervisionadas por adultos responsáveis e atenciosos.

Mas os projetos devem também contemplar os interesses do próprio adulto. Se este não se sentir entusiasmado quando participar em ações de voluntariado, a criança vai, naturalmente associar o voluntariado a algo aborrecido. Da mesma forma, se tiver uma paixão (por exemplo, se é um craque da informática e decidir oferecer aulas de Iniciação à Informática a idosos de um centro de dia) poderá sempre levar o seu filho para poder partilhar com ele essa paixão e essa experiência!
Tal como para tudo na vida, o importante é querer fazer e o céu é limite, mas seguem-se algumas sugestões de ações solidárias para os mais novos:

- Brincar com outras crianças no parque, aprendendo a dividir um escorrega ou baloiço (mas não espere milagres, pois os mais pequeninos ainda são muito egocêntricos e possessivos)
- Visitar outros bebés da família ou amigos e ajudar os adultos na colocação de babetes, na muda de fraldas, distribuindo a colher e a tacinha na mesa, etc.
- Ler um livro (ou parte dele) a uma avó, um avô, um tio ou uma tia, ou a um amiguinho mais novo
-  Preparar um lanche especial para os coleguinhas da escola (com a ajuda dos pais)
-  Escolher um brinquedo novo que tenha recebido neste Natal para oferecer a outra criança (oferecer brinquedos usados e de que já não precisa não é ser solidário, é querer limpar o quarto de tralha!).

…e outras para os mais velhos:
- Preparar uma aula de “Como andar de bicicleta em segurança” para os alunos mais novos da escola
- Limpar e arrumar a cozinha ou o jardim de um familiar ou amigo
- Criar um “dia do vizinho” (por exemplo, ao sábado) e ir deitar fora o lixo de todos os vizinhos do prédio. Desde que não morem, claro, num arranha- céus!

No final, não se esqueça de apoiá-lo, mostrando o seu apreço e partilhando com outros adultos próximos.


Leia também:

Crianças solitárias

O mundo é deles!

Como o coaching melhorou os nossos dias

Comentar

Código de segurança
Actualizar

Editorial.

editorial-317

alt

Um dia a repetir

Acontece todos os anos por esta altura. Sob pretexto de assinalar o Dia Internacional da Criança, recordam-se direitos...

Consultório

 "O meu filho, que fez recentemente quatro anos, vive intensamente esta altura do ano. Ainda acredita no Pai Natal e acha que é ele quem lhe traz as prendas. Ainda...

Leia Mais