Pais professores


No ensino doméstico os pais assumem a responsabilidade primária de supervisionar a educação dos seus filhos.

São muitos os exemplos em que os pais vestem também a pele de professores. Um desejo de pessoas que, para além da profissão docente, têm o papel de pai e mãe. Mas existe também outra situação em que pais vestem também pele de professor. Considerando que a Constituição da República Portuguesa preconiza a liberdade de aprender e ensinar e que toda a pessoa tem direito à educação, como é definido pelo Artigo 26.º da Declaração Universal dos Direitos do Homem, alguns pais optam pela modalidade do ensino doméstico. Este tipo de ensino é lecionado em casa, por um familiar ou pessoa que com ele habite (Decreto-Lei n.º553/80, de 21 de novembro) tornando-se uma alternativa ou uma forma de complemento à educação, em que os pais ensinam as crianças em casa, ou seja, os pais assumem a responsabilidade primária de supervisionar a educação dos seus filhos.

Esta modalidade de ensino é, no entanto, por vezes confundida com o ensino individual, pelo que se torna pertinente distinguir estes conceitos. Apesar de não existir um consenso acerca da sua definição, por ensino doméstico entende-se aquele que é lecionado no domicílio do aluno, por um familiar ou pessoa que com ele habite, enquanto o ensino individual é ministrado por um professor diplomado a um único aluno fora do estabelecimento de ensino.
Os estudos indicam que as principais razões que levam os pais a optar por esta modalidade de ensino são: a possibilidade de personalizar e individualizar o currículo e o ambiente de aprendizagem de cada criança; utilizar abordagens pedagógicas diversificadas; melhorar as relações familiares entre os pais e os irmãos; proporcionar interações sociais guiadas e fundamentadas com os pares; proporcionar um ambiente mais seguro para as crianças, ensinar e transmitir um determinado conjunto de valores, crenças e visão do mundo.

Os mesmos estudos evidenciam controvérsias/limitações ao ensino doméstico como a qualidade da instrução uma vez que os pais podem não ter formação adequada, a limitação da logística familiar uma vez que um dos pais estará dedicado aos estudos do filho, os pais de crianças com necessidades educativas especiais não usufruem de determinados serviços, e as crianças educadas em contexto doméstico ficam protegidas da diversidade que é inerente à escola tradicional e perdem oportunidades de socialização.


Leia também:

Vamos concentrar!

Errar, falhar e evoluir

É possível gostar de Matemática!


Editorial.

editorial-315

alt

O prazer de folhear

Era o melhor presente que me podiam dar. Abria-o sempre com delicadeza, quase a medo, sentindo-lhe o cheiro e...

Consultório

 "O meu filho, que fez recentemente quatro anos, vive intensamente esta altura do ano. Ainda acredita no Pai Natal e acha que é ele quem lhe traz as prendas. Ainda...

Leia Mais