O género não se escolhe, vive-se

Indíce do artigo
O género não se escolhe, vive-se
Página 2
Todas as páginas



alt

Quem a quer ver é a jogar à bola. Sportinguista ferrenha, tal como o pai e o irmão, conhece de cor o plantel do clube do coração e os dos principais rivais. Saias, nem pensar. «Não dão jeito nenhum para brincar e aleijo-me mais quando caio», justifica. As bonecas são «giras» e tem muitas, mas não fazem sombra às futeboladas, à bicicleta, aos mergulhos no tanque de rega. Aos nove anos Sara é a primeira a afirmar, com orgulho: «sou uma maria-rapaz!». Os pais e o avô paterno acham graça. Já a única avó – a materna – não partilha de tal opinião e chegou a mostrar-se preocupada junto da filha e do genro pela falta de feminilidade da neta. «Não valorizámos, achamos que ela é nova demais para se definir seja o que for. Tem é de se divertir com o que gosta!», afirma a mãe, Paula.

Bastante mais inquietos andam os pais do Nuno. Com cinco anos, «gosta de brincar com as meninas do jardim-de-infância e quando pega numa bola é durante cinco minutos. Com carrinhos faz umas corridas, mas do que gosta mesmo é de estar sentado a ler, a pintar, enquanto os outros rapazes andam lá fora a correr…», suspira a mãe, Maria Madalena. «A educadora já nos disse que não vê qualquer motivo para alarme, que ele está muito bem integrado na sala e que anda contente, mas não sei…»

Quando um rapaz se mostra fascinado por carros e camiões, bolas e action-men ou uma rapariga só quer vestir cor-de-rosa e brincar às princesas ninguém na família se mostra particularmente preocupado. Mas se isso não acontece e a criança apresenta comportamentos e preferências fora do que é habitualmente visto no seu género, a inquietação pode surgir. «Não fujamos às palavras. Nestas situações, o que aparece no espírito dos pais é o fantasma da homossexualidade». De forma direta, a psicóloga clínica Teresa Paula Marques aponta o motivo que leva muitas famílias aos consultórios, mesmo se são incapazes de verbalizar os receios que as levam a pedir ajuda. «É preciso, em primeiro lugar, desmitificar a ideia de que a orientação sexual de um indivíduo se encontra relacionada com gostos e atitudes e muito menos com princípios de educação, especialmente durante os anos formativos. E, embora ainda não se saiba concretamente o que está na base, não se trata de uma escolha. Costumo dizer que se assim fosse não haveria homossexuais porque seria uma opção tão difícil que ninguém a tomaria», acrescenta.

Em paralelo, afirma, sair do que é considerado como «comportamentos normais» não significa que a criança tenha dúvidas sobre a que género biológico pertence. Embora seja uma aprendizagem demorada no tempo (ver caixa), quando chegam à idade escolar, as características físicas de ambos os sexos e a sua permanência são dados absolutamente claros. Por outras palavras, uma menina gostar de subir às árvores ou um menino brincar aos cozinhados em nada indica que tem dúvidas sobre a que sexo pertence ou faz prever como vai viver a sua sexualidade futura. Então, por que motivo a grande maioria prefere brincadeiras, roupas e até amizades que se inserem no esperado do seu sexo? Tudo isso faz parte de um longo e complexo processo que se chama socialização de género.


Género biológico, género social

O género de cada ser humano – isto é o sexo a que pertence – é definido biologicamente no momento da conceção. E embora seja, na esmagadora maioria dos casos, assumido e aceite pelo indivíduo, está longe de ser o determinante exclusivo do seu comportamento, gostos e manifestações sociais. Pensadores de vários campos – com destaque para a Psicologia e Sociologia – são quase unânimes a considerar que a observação e imitação dos padrões adultos (numa primeira fase) e as atitudes que levam a recompensas ou sanções (numa segunda fase) compõem a equação do género social.

«A incorporação dos valores de uma determinada sociedade determina, em grande parte, os nossos comportamentos desde a infância mais precoce», afirma a socióloga Patrícia Miranda, ressalvando que mesmo «em sociedades igualitárias e de livre escolha como a nossa, são passados ensinamentos, sanções e fronteiras que são difíceis de ultrapassar». Como vestir um rapaz de cor-de-rosa, por exemplo. E são esses ensinamentos, sanções e fronteiras que indicam aos mais novos os comportamentos sociais que os farão integrar-se e aqueles que devem evitar se não querem ser ostracizados.

Por outras palavas, se, desde que nasce uma menina é chamada de ‘princesa’, se nos brinquedos dominam as bonecas ou se apenas vê a mãe a cozinhar e a limpar, vai mais tarde ou mais cedo replicar esses padrões e agir em conformidade com o que acha que é dela esperado. O mesmo se passa com um rapaz que tem um guarda-roupa cheio de azul, um caixote de brinquedos cheio de camiões e um pai fanático por futebol: rapidamente escolhe «roupa de rapaz», fica especialista em veículos motorizados e entusiasta da bola.

A este propósito, Teresa Paula Marques aponta o futebol como «um grande agente de socialização» do sexo masculino. «É quase como a confirmação de que aquela criança ‘é um dos nossos’» e quando falha faz soar as sirenes de alerta na cabeça dos adultos. É o que acontece com os pais do Nuno e muitos outros. Mas os sobressaltos podem não se limitar à família e surgem, por vezes, junto de quem menos se espera.

A psicóloga recorda um caso que classifica como de «quase impensável» por ter sido protagonizado por profissionais do sector educativo. «Chegou-me à consulta um casal com um filho em idade pré-escolar, que tinha sido ‘alertado’ pelo colégio para os comportamentos alegadamente efeminados da criança, porque esta não gostava de jogar à bola. As coisas chegaram a um ponto tal que foi sugerido mesmo que as atitudes do menino não se enquadravam naquela escola e que os pais teriam de ‘fazer alguma coisa’ se quisessem que ele continuasse no estabelecimento.»

Aflitos e convencidos de que algo de muito errado se passava, pai e mãe «estavam a colocar em causa o seu desempenho enquanto educadores, a questionarem-se sobre o que estariam a fazer de errado. Estes sentimentos são comuns em família, nos casos em que as crianças agem fora do que é socialmente aceite. O que é complicado é que surjam num contexto de indivíduos com formação educativa», defende. Em consequência, Teresa Paula Marques procurou ajudar o casal a compreender de que, muito provavelmente, nada de mais estava a acontecer com o filho mas que certamente tinham de ser feitas alterações nas opções escolares.


Duplo padrão

Patrícia Miranda é autora de uma tese de doutoramento sobre a construção da identidade de género nas crianças, que teve por base o estudo de uma turma de 5.º ano em Viseu. E se é patente «uma evolução na aceitação da diversidade», as crianças que fogem aos padrões estabelecidos continuam a ser apontadas a dedo, em especial pelos seus pares. É por isso que uma das crianças entrevistadas, um rapaz, revelou não achar mal chorar, mas ter vergonha de o fazer em público.

De qualquer forma, adianta, é possível observar um duplo padrão, que classifica de modo diferente os sinais mostrados por raparigas e por rapazes, num fenómeno mais visível quando se tratam das reações de adultos. «Existe uma maior liberdade de experimentação para o sexo feminino do que para o sexo masculino. Quando são os meninos, os pais consideram mais perigoso na não diferenciação de género». É por isso que a família da Sara até acha graça à «maria-rapaz» que tem em casa e a do Nuno não acha graça nenhuma ao facto de ele não ligar ao futebol.

A socióloga defende a ideia de que as mentalidades têm vindo a mudar mas adverte que existe ainda um longo caminho a percorrer até que os princípios igualitários se reflitam na construção da identidade de género. «Enquanto os temores da orientação sexual futura e do correspondente julgamento social permanecerem, é difícil passar para as crianças a mensagem sólida de que todas as expressões e comportamentos são válidos. Podemos até adotar o discurso da igualdade entre os géneros mas se, ao mesmo tempo, mostrarmos reticências quando os mais novos a exercem, o sinal que damos é de que essa igualdade não é aceitável».

Na mesma linha, Teresa Paula Marques fala de «duas velocidades nos modelos de educação, uma teórica e outra prática» e da dificuldade que é passar de uma para a outra. «Se a criança ouve os pais a dizerem que todos somos iguais, temos os mesmos direitos, podemos gostar de tudo e depois vê esses mesmos pais a dividirem tarefas baseados no género ou a franzirem o sobrolho quando os comportamentos não seguem um determinado padrão, chega à conclusão do que o que vale são os exemplos, não o discurso, e vai seguir os exemplos», afirma.

Patrícia Miranda deixa, por sua vez, um alerta: «ao estreitarmos, de forma consciente ou inconsciente, os campos de experimentação das crianças, não estaremos a limitar o seu enriquecimento formativo e o seu futuro enquanto membros de uma sociedade cada vez mais recetiva a todas as formas de ser e de estar?».





Comentar

Código de segurança
Actualizar

Editorial.

editorial-292

alt

Coração de mãe

Último dia. Se nada acontecesse, esperava-me uma indução pois, diziam os médicos, não era prudente esperar mais. Acordei...

Consultório

"O meu filho, que fez recentemente quatro anos, vive intensamente esta altura do ano. Ainda acredita no Pai Natal e acha que é ele quem lhe traz as prendas. Ainda...

Leia Mais

Filho na Capa 2013

SimpleViewer requires JavaScript and the Flash Player. Get Flash