O que preocupa os pais de adolescentes?

alt


A adolescência é, para muitos pais, uma das fases da vida dos filhos em que as preocupações sobre os desafios da vida fora do universo familiar se multiplicam. Mas quais são os seus maiores receios? Uma equipa de investigadores da Universidade do Michigan (EUA) procurou saber o que os preocupa e chegou à conclusão de que, para a maioria, é a perspetiva de os jovens serem vítimas de bullying, tanto físico como virtual.

Outros dos maiores receios dos mais de dois mil pais que participaram no estudo, levado a cabo junto de famílias que frequentam o Hospital Pediátrico CS Mott daquela instituição são, por ordem decrescente, o pouco exercício físico, maus hábitos alimentares, abuso de estupefacientes, insegurança na internet, abuso físico, suicídio, depressão, stresse e, por último, a gravidez precoce.

O principal autor do trabalho, Gary Freed, revelou ainda que o tipo de preocupação se altera à medida que os anos passam. “Se, na primeira infância, as questões de saúde e desenvolvimento estão no centro das preocupações, quando os filhos chegam à adolescência é o aspeto da inadequação social, os maus hábitos de saúde e a falta de ferramentas de defesa, por exemplo, no mundo virtual, que causam os maiores receios”.

De acordo com o mesmo responsável, a estratégia mais eficaz para gerir as apreensões é o diálogo familiar. “Os adultos devem procurar falar regularmente com os adolescentes sobre o mundo lá fora e procurar passar princípios e valores que os orientem e lhes permitam tomar boas decisões. Por exemplo, no caso do ciberbullying, abordar as questões de segurança na internet, realçando que é importante não fornecer informações sobre identificação pessoal nas redes sociais, plataformas de conversação ou ambientes de jogos partilhados”.

Comentar

Código de segurança
Actualizar

Editorial.

Prazeres simples

alt

A felicidade está na moda. É tema de livros e dissertações, mote de fotografias e exposições. E receitas não...

Consultório

 "O meu filho, que fez recentemente quatro anos, vive intensamente esta altura do ano. Ainda acredita no Pai Natal e acha que é ele quem lhe traz as prendas. Ainda...

Leia Mais