Jogo “online” alterado para evitar danos a animais

alt

O jogo online “Minecraft” é um dos mais populares junto das crianças e adolescentes, tendo atingido a fasquia de 100 milhões de aquisições há cerca de um ano, o que o transformou no segundo mais rentável de todos os tempos. É, por isso, natural que todas as caraterísticas deste passatempo tenham capacidade para influenciar a vida real dos mais novos, o que levou recentemente os criadores a mudarem as regras para evitar lesões em animais de estimação.

Expliquemos. No universo “Minecraft” os jogadores têm de reunir um número suficiente de recursos para criar casas e paisagens. Um desses recursos são papagaios, domesticados através de bolachas que, quanto mais abundantes, melhor. Perante algumas notícias que davam conta da passagem dessa “alimentação virtual” para a realidade, os criadores do jogo preparam-se para alterar as regras, impedindo que os animais virtuais sejam alimentados como até agora. Isto porque já se verificaram casos em que pássaros domésticos morreram por receberem comida a mais.

A empresa criadora do jogo pretende assim que os utilizadores não fiquem tentados em imitar o que se passa nos ecrãs. Um criador da equipa que desenvolve o jogo informou que o alimento para domesticar papagaios será modificado na próxima atualização: “Se o jogo tem alguma influência no comportamento das crianças, queremos que seja algo positivo, por isso vamos alterar a comida utilizada para alimentar pássaros na próxima atualização”.

Para os programadores da multinacional “Majong” – adquirida há cerca de dois anos e meio pelo colosso Microsoft – a meta é evitar “colocar em risco” pássaros no mudo inteiro. Por outras palavras, evitar que a vida copie a arte ou, neste caso, o jogo virtual.


Leia aqui:

Internet sem riscos

Internet: 12 regras de sobrevivência para pais

Amigos virtuais

Comentar

Código de segurança
Actualizar

Editorial.

Três notas

alt

Setembro é mês de regressar às aulas, mas também de retomar rotinas, reorganizar horários, cortar o cabelo, destralhar a casa, trocar...

Consultório

 "O meu filho, que fez recentemente quatro anos, vive intensamente esta altura do ano. Ainda acredita no Pai Natal e acha que é ele quem lhe traz as prendas. Ainda...

Leia Mais